sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

ACUSADO DE MATAR CUNHADO DIZ QUE ATIROU PRA VINGAR NAMORADA

9c47246b4154a95010c9ab5458bda5f4.jpg
Diego Gualberto, 18 anos, se apresentou hoje à polícia para contar sua versão do crime
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Do NE10
Atualizada às 15h11

A caminho da Delegacia de Paulista, no Grande Recife, onde chegou por volta das 12h30 desta sexta-feira (25) para prestar depoimento sobre o assassinato do seu cunhado, o suspeito pelo crime, Diego Gualberto, 18 anos, concedeu entrevista ao NE10. Parecendo atordoado, voltou a afirmar que não tinha a intenção de matar o cunhado. A tragédia familiar aconteceu no último sábado (18), na casa onde Ytalo morava com os pais, entre Olinda e Paulista. O suspeito afirmou que foi à residência, que fica próximo à que vivia com a namorada - e irmã da vítima - Yslainne Santos, 16, para buscar o documento da sua motocicleta.
"Queria os documentos para pegar a moto e viajar com ela (Yslainne). Estava com muita raiva depois que descobri tudo", afirmou. O acusado disse que o motivo do ódio foi ter ouvido que a vítima abusava a namorada dele sexualmente há cerca de dois anos. "Eu já desconfiava, mas, no sábado, depois de uma festa, deitamos na cama e começamos a chorar. Ela me contou que ele a estuprou dentro da minha casa, em cima da minha cama", relatou. Diego Gualberto disse que planejava se mudar com Yslainne depois que voltasse da viagem. "Quando fui pegar o documento da moto, vi a arma. No impulso, peguei e atirei", contou. O acusado afirmou que já havia visto o cunhado armado.

Diego disse que está arrependido pelos tiros que admitiu ter disparado contra Ytalo Santos, da mesma idade. "Ele era o meu único amigo no momento, mas quando vi a arma fiquei com muita raiva e acabei atirando. Não lembro o que aconteceu na hora, só que fiquei gritando 'tarado safado' e corri. Nem sabia se tinham pego nele (os tiros)", disse.

A família da vítima, no entanto, conta uma versão diferente. Negando que Ytalo já houvesse abusado a própria irmã, a mãe dos dois, a auxiliar de cozinha Mônica Santos afirmou ao Jornal do Commercio, no domingo (19), que o genro chegou à sua casa e pediu para falar com o cunhado. "Quando ouvi foram os disparos no quarto. Ele matou meu filho na cama, enquanto dormia, não teve nem chance de reação", relembra Mônica. De acordo com um dos tios da vítima, Diego proibia a garota de frequentar a escola, ver os amigos e tinha ciúmes da relação dela com o irmão.

Depois do crime, o acusado fugiu de moto levando a namorada. Durante alguns dias, ficou em uma praia do Litoral Sul pernambucano. A garota não teve o seu paradeiro revelado pelo acusado, mas o advogado dele, Sílvio Luiz Ferreira, afirma que Yslainne também vai se apresentar à polícia quando for solicitado. "Ela quer ficar com a minha família, está com os meus pais", afirmou Diego. De acordo com o delegado Jáder Alves Brasiliense, responsável pelas investigações, entretanto, policiais encontraram a casa onde a família vive vazia e depredada.


Fonte: NE10

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Artistas são convocados a "declarar seu amor" por Limoeiro. Falta a cidade corresponder a esse amor

  A Prefeitura Municipal de Limoeiro lançou a Mostra Cultural Virtual sobre Limoeiro, onde cada artista seja de qual área for, poderá se ins...