segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Torcida Jovem é vaiada por torcedores do Sport durante jogo contra o Central

 / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem

O ultimato foi dado antes do jogo contra o Central, no sábado à noite, pelo Pernambucano 2014. Nada de cânticos, no primeiro tempo, empurrando o time contra os caruaruenses. A “revolta” da Torcida Jovem era contra a direção do Sport, que proibira os jogadores de vestirem a camisa da Organizada por baixo do uniforme. Mostrá-la em caso de gol, de modo algum. No intervalo, passados os 45 minutos de silêncio, as primeiras entonações: “Uh! A Jovem aê!” A reação dos torcedores não filiados foi imediata. Uma vaia que transcendeu a Ilha do Retiro.

Depois de jogar com a casa vazia ante o Botafogo-PB, pelo Nordestão – e perder uma receita de mais de R$ 300 mil por isso –, por conta das arruaças do associados da Jovem na Paraíba, a direção percebeu que dissociar a imagem do clube dos desordeiros era necessário. Proibir os atletas de usarem a camisa era um teste. Bater de frente com uma facção com mais de 10 mil sócios, para os dirigentes, é uma temeridade. No final, os amantes do Sport, que só querem assistir ao jogo com suas famílias, sem se preocupar com violência, jogaram a Organizada na vala comum dos que não merecem respeito.

O ato em si poderia ter passado em branco, mas não foi isso que aconteceu. Rico em simbolismos, torcedores do Sport de todos os cantos – não só no estádio, mas também nas redes sociais – eram quase unânimes em ressaltar o valor do torcedor comum. E o descontentamento contra aqueles que só pensam em fazer baderna, exaltando mais o escudo da sua “turma” do que o manto do próprio clube. Nesse caso, e em tantos outros no Brasil, o time do coração é só um pretexto para praticar todo tipo de crime.

Nos fóruns de futebol que abordaram o assunto, houve sim os que veem as organizadas como importantes no contexto futebolístico. Por puxarem o coro e apoiar o time do início ao fim, contagiando também os de fora da “redoma”. Mas, no geral, os torcedores elogiaram a atitude dos rubro-negros. Mesmo simpatizantes de outras cores. O medo está acabando.

“Ontem (a torcida) vaiou a organizada, que em outros clubes da capital é exaltada e admirada. No Sport é diferente”, disse o torcedor Rafael Soares, via Twitter. Uma última nota: na falta das músicas da Jovem, muitas exaltando a violência, o torcedor rubro-negro de verdade apoiou o time do início ao fim – sem qualquer rancor. Como deve ser numa partida de futebol.

FONTE: JC ONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Artistas são convocados a "declarar seu amor" por Limoeiro. Falta a cidade corresponder a esse amor

  A Prefeitura Municipal de Limoeiro lançou a Mostra Cultural Virtual sobre Limoeiro, onde cada artista seja de qual área for, poderá se ins...