sábado, 5 de abril de 2014

Morre aos 66 anos o ator José Wilker



Do JC Online

José Wilker, além de ator, também foi crítico de cinema e diretor.  / Foto: Daniel Bher/Divulgação

José Wilker, além de ator, também foi crítico de cinema e diretor.

Foto: Daniel Bher/Divulgação

O ator José Wilker, de 66 anos, morreu na manhã deste sábado (05) na residência onde morava, no Rio de Janeiro. Ainda não há informações oficiais sobre a causa da morte, mas a principal suspeita é que ele tenha sofrido um infarto. O ator deixa as filhas Isabel, Mariana e Madá Wilker. José Wilker já morou no Recife, quando ainda era jovem. A família, atualmente, mora na cidade de Olinda, em Bairro Novo.
José Wilker seria um dos homenageados, ao lado de Laura Cardoso, na próxima edição do festival de cinema Cine PE, que o ator costumava comparecer.

HISTÓRIA
Nascido em Juazeiro do Norte no dia 20 de agosto de 1946, José Wilker de Almeida já morou no Recife. Filho da dona de casa Raimunda e do caixeiro viajante Severino, Wilker tem uma extensa lista de sucesso na televisão brasileira. Em 1976, foi protagonista da novela Anjo Mau. Também viveu Roque Santeiro, em 1985, personagem principal da trama homônima. Em 2004 interpretou o ex-bicheiro Giovanni Improtta, de Senhora do Destino, que ficou conhecido pelos bordões “felomenal” e “o tempo ruge e a Sapucaí é grande”.
Assumido amante da sétima arte, José Wilker era crítico de cinema, chegando a escrever artigos para jornais e revistas, além de comentar o Oscar durante vários anos, na TV Globo. Também atuou em filmes como Xica da Silva e Bye Bye, Brasil, ambos de Cacá Diegues, além de Antônio Conselheiro em Guerra de Canudos, de 1997, de Sérgio Rezende.
Assumiu o papel de diretor no programa Sai de Baixo, em 1996, e as novelas Louco Amor, em 1983, de Gilberto Braga, e Transas e Caretas, em 1984, de Lauro César Muniz. Na extinta TV Manchete, acumulou foi ator e diretor nas novelas Carmem, de Gloria Perez, em 1987, e Corpo Santo, de José Louzeiro, no mesmo ano.
O ator também fez adaptação da obra de Rubem Fonseca "Agosto", em 1993; Anos Rebeldes, de Gilberto Braga, em 1992, e A Muralha, em 2000, escrita por Maria Adelaide Amaral e João Emanuel Carneiro. Em 2006, interpretou o presidente Juscelino Kubitschek na minissérie JK, de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira.
Em 2012 acumulou mais um sucesso com o coronel Jesuíno, no remake de "Gabriela", baseado na obra de Jorge Amado, "Gabriela Cravo e Canela". O bordão "Hoje eu vou lhe usar" é utilizado até hoje por internautas das redes sociais. A última participação do ator em novelas foi com o personagem Hebert, em 2013, um médico da novela "Amor à Vida", de Walcyr Carrasco.

FONTE: JC ONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Artistas são convocados a "declarar seu amor" por Limoeiro. Falta a cidade corresponder a esse amor

  A Prefeitura Municipal de Limoeiro lançou a Mostra Cultural Virtual sobre Limoeiro, onde cada artista seja de qual área for, poderá se ins...